Bobina de ignição: tem conserto ou só troca?

Muitas pessoas têm dúvidas sobre a funcionalidade da bobina de ignição. Afinal de contas, ela tem conserto?

Saber identificar o problema na bobina de ignição é essencial para um bom funcionamento do veículo. Por isso, iremos abordar nesse texto como funciona a durabilidade deste item.

Quando nós falamos em manutenção automotiva, entre os itens que não devem ficar de fora de uma revisão periódica se encontra a bobina de ignição. Ela é a responsável por fazer com que as velas da ignição funcionem.

Ela transforma em alta tensão o sinal da alimentação da bateria do veículo e dessa forma permite uma geração da faísca que vai queimar a mistura ar com combustível nos cilindros. Isso ocorre graças ao princípio da indução eletromagnética.

O circuito primário é quem recebe a energia que vem da bateria do carro. A variação de uma corrente no primário acaba gerando a variação no fluxo magnético da bobina, o que induz uma tensão no secundário.

Essa tensão é responsável pela geração da centelha elétrica em plenas velas da ignição. Se o seu carro for um modelo mais velho e ainda equipado com um carburador, a bobina vai ter um formato cilíndrico e estará entre o distribuidor e a bateria. 

Já nos modelos atuais, a bobina fica no terminal do sistema de ignição ou é ligada direto nas velas. Confira a seguir mais informações sobre a bobina de ignição e como saber a hora de trocar.

Imagem: Pixabay

Sinais de problemas

Antes de ter uma falha completa, o que provoca a parada imediata do carro, a bobina de ignição dá diversos sinais de que pode estar com problemas. Essa lista de sintomas pode incluir desde o crescimento de consumo de combustível até dificuldades na partida.

Outros sinais do problema com a bobina podem ser os estouros que partem do escapamento, que são provocados por que o combustível não queimado vai parar no sistema de escape do carro.

Justamente por causa da menor energia fornecida para centelha, o motor do carro ainda apresenta falhas em seu funcionamento, com os engasgos principalmente quando se acelera o veículo.

Vida útil

Diferente dos itens como os óleos, que possuem uma vida útil já pré definida, o desgaste das bobinas vai depender da sua utilização e do estado de outros itens do sistema.

Insistir em andar com as velas e os cabos de vela gastos acaba sobrecarregando muito a bobina de ignição e isso com certeza vai deixar a conta do reparo mais cara.

Outras ocasiões que podem acabar afetando esse componente são um superaquecimento do motor e também o contato da bobina com a água ou óleo. A falha pode ocorrer também por causa do desgaste do isolamento interno deste componente, por conta do tempo de uso e alguns outros fatores com a vibração excessiva.

Quando trocar a bobina de ignição?

Se você vem suspeitando que o seu veículo está com problemas, o ideal a se fazer é levar ele até um mecânico e solicitar uma revisão completa.

Porém, antes disso, já é possível verificar no mínimo se existem danos visuais que estão afetando a bobina de ignição. As rachaduras causam fuga de corrente e com certeza vão condenar o componente.

Vale destacar que o indicado nos carros que possuem múltiplas bobinas é a troca de todos os componentes de uma única vez, já que se a bobina falhou, certamente todas as outras já estão chegando ao seu prazo de vida útil.

Respondendo à pergunta do início deste texto, o reparo do componente até é possível. Mas como envolve um processo de remanufatura, o método mais barato e rápido para solucionar o problema é simplesmente fazer a troca da bobina de ignição.

 

Imagem padrão
Edson

Iniciando o primeiro período na faculdade de cinema e redator. Trabalhando com a escrita desde 2018, sempre encarei os meus textos com grande responsabilidade, e escrever sobre finanças e economia não vai ser diferente. Descomplicar esses temas para o público geral com certeza é o meu maior desafio, e espero que vocês me acompanhem nessa.

Deixar uma resposta