Como é calculado o preço do IPVA

Não tem para onde correr: o IPVA vai chegar todo ano para você pagar.

Essa é a realidade para quem possui um veículo próprio. Para quem é dono de um veículo, o Imposto sobre a propriedade de veículos automotores (IPVA) é um gasto anual e fixo. A sua arrecadação é dividida entre o município, estado e o FUNDEM. Porém, você sabe como esse imposto é calculado.

Nem todo mundo sabe como é calculado o preço do IPVA, mas deveria. Saber como funciona esse cálculo é essencial para evitar imprevisto, tendo em mente o valor correto ou aproximado que vai ser necessário desembolsar anualmente para pagar esse imposto. 

Portanto, sabendo que é algo tão importante, confira nos próximos passos como é calculado o preço do IPVA e outras características e informações desse imposto.

Imagem: Pixabay

Como é calculado o preço do IPVA

Antes de mais nada, vamos verificar o valor da alíquota desse imposto. O IPVA tem valores que podem variar entre 1% e 6% de acordo com o tipo de veículo e com o estado. Após isso, se faz necessário averiguar o valor venal do veículo, analisando a partir da Tabela FIPE. 

Com os números em mãos, o cálculo é bem simples: você precisa multiplicar o valor venal do veículo pelo valor da alíquota do IPVA. Em Santa Catarina, opr exemplo, os veículos de passeios e utilitários, além de motor-homes, com fabricação estrangeira ou nacional, possuem a alíquota de 2%.

Portanto, se o veículo de Santa Catarina estiver estimado em R$30,000 pela Tabela FIPE, o preço do IPVA pago vai ser de R$600,00. Entretanto, se o mesmo veículo fosse registrado no estado de São Paulo, onde a alíquota chega a 4% para os veículos movidos a biocombustíveis ou gasolina, o preço do IPVA seria o dobro.

Além de tudo isso, também é preciso acrescentar ao orçamento dessa taxa o seguro obrigatório do DPVAT, que chega a custar R$63,69 para veículos particulares, além da taxa anual do DETRAN, que varia a depender do estado.

Quando e onde pagar

Agora que você já sabe como é calculado, se prepare para pagar o IPVA. Os proprietários de veículos podem pagar por esse imposto até o último dia do mês que corresponde à placa do veículo. Esse pagamento pode ser feito de forma parcial ou única, conforme determinado pelos governos estaduais.

Esse pagamento, por sua vez, pode ser efetuado através da rede bancária credenciada, que engloba o Banco do Brasil, Itaú, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Santander, Sistema Bancoob, Sicoob/Creditran, Sicredi, Cecred e Banrisul. 

E se o pagamento não for feito?

Não existe a opção de dar o famoso “calote” no IPVA, a não ser que você queira enfrentar as consequências negativas. Isso porque, além de ser necessário para o licenciamento do veículo, a falta de pagamento desse imposto acarreta em uma notificação fiscal, taxa por dias de atraso e juros baseados na taxa Selic.

Além disso, o dono do veículo ainda pode acabar recebendo sete pontos na carteira e ter seu veículo apreendido. É bom reforçar que a multa por atrasos, bem como os dias e confissões para pagamento, também variam a depender do estado.

Por isso, evite atrasar ou não pagar o IPVA. Tenha sempre em mente esse cálculo para não ser pego de surpresa com o preço do imposto, e mantenha o seu veículo em dia.

Imagem padrão
Edson

Iniciando o primeiro período na faculdade de cinema e redator. Trabalhando com a escrita desde 2018, sempre encarei os meus textos com grande responsabilidade, e escrever sobre finanças e economia não vai ser diferente. Descomplicar esses temas para o público geral com certeza é o meu maior desafio, e espero que vocês me acompanhem nessa.

Deixar uma resposta