Como funciona o serviço de carro compartilhado?

O modelo de compartilhamento de carros já vem se expandindo na europa e isso vem causando muita curiosidade no Brasil. Muitas pessoas já se interessam nesse serviço, mas outras ainda nem o conhecem.

Se você é um cidadão antenado nas tendências do mercado de carros, é muito provável que você faça parte do grupo que já ouviu falar no termo carsharing. Essa palavra, na real, é o conceito onde as pessoas compartilham os seus carros por algumas horas, através do uso de aplicativo. 

O carsharing já se faz presente há um bom tempo nos países europeus e já atende mais de 5 milhões de pessoas pelo mundo, de acordo com o World Resources Institute.

No continente europeu, a previsão desse segmento é de que 9,8 milhões de cidadãos o usem de forma muito ativamente por todo o continente em 2025. Essa é uma previsão baseada nos últimos anos de uso, que vem fazendo com que as empresas de carsharing fiquem otimistas.

Esse sistema é uma mobilidade que já começou a engrenar no Brasil inclusive, e é a de empresas que oferecem a possibilidade de alugar um automóvel por algumas horinhas ou diárias.

Da mesma forma que startups, como a Turbi, por exemplo, até as montadoras de carros decidiram investir nesse ramo, como é o caso do KINTO Share, um serviço exclusivo da marca Toyota.

Através dos aplicativos ou de uma reserva no site oficial, o cliente faz a solicitação do carro. Normalmente, as reservas são realizadas a partir de um hora e vai até 48. 

Em certos casos, nem é necessário ficar preocupado com o abastecimento, pois basta pegar o carro em um ambiente específico, como estacionamentos, e devolver no mesmo ambiente.

Enfim, gostou dessa novidade? Apesar de está engatinhando no Brasil, existem algumas problemáticas que complicam a popularização desse sistema aqui no Brasil. Confira no próximo tópico.

Imagem: Pixabay

Complicações para popularização do carsharing no Brasil

Bom, se o serviço de carro compartilhado ainda não emplacou no Brasil significa que alguma coisa está impedindo isso. Na verdade, algumas coisas estão complicando a popularização do carsharing no Brasil.

Para o lado do locador, os preços disponibilizado ainda são muito próximos das locadoras convencionais, pelo menos quando analisamos os valores para os carros mais populares.

Porém, esse não é o único empecilho. Outra problemática é que os aplicativos voltados para o carsharing ainda não conquistaram o público do Brasil da mesma maneira que os serviços de carro por app como a 99 e a Uber,

A cultura dos brasileiros ainda está um pouco longe de permitir esse mergulho de cabeça no serviço de aluguel de carro por um curto período de tempo.

Ainda assim, as empresas que compartilham os carros locados por elas para as pessoas físicas vem tendo um grande crescimento nas demandas. 

Com um modelo mais próximo das locações convencionais, porém com grandes facilidades, as startups como a Turbi viram um crescimento no ano passado de 15% em comparação com o ano de 2020.r

Isso é um aumento significativo e que faz com que a gente olhe com outros olhos para o serviço de carro compartilhado. Afinal de contas, esse tipo de serviço também vai engrenar no Brasil.

A resposta só saberemos no futuro. Até lá, vamos continuar observando todas as novidades e notícias do mundo automotivo para não perder nenhuma grande mudança no mercado brasileiro de carros.

Imagem padrão
Edson

Iniciando o primeiro período na faculdade de cinema e redator. Trabalhando com a escrita desde 2018, sempre encarei os meus textos com grande responsabilidade, e escrever sobre finanças e economia não vai ser diferente. Descomplicar esses temas para o público geral com certeza é o meu maior desafio, e espero que vocês me acompanhem nessa.

Deixar uma resposta