Como transportar o pet dentro do carro com segurança

Ter um bichinho de estimação é maravilhoso, e levar ele pra passear no carro também. Porém, é necessário ter alguns cuidados para que esse passeio seja seguro.

Algumas pessoas têm dúvidas sobre como levar o pet para passear no carro. Será que os cachorros podem viajar usando cinto de segurança? E o gato?

Bom, essas e outras dúvidas são bem recorrentes. Independente de ser uma viagem longa ou até mesmo uma ida ao veterinário mais próximo, assim como os outros passageiros do carro, o seu pet também tem que cumprir algumas regras.

Afinal de contas, ninguém quer ser pego de surpresa com uma multa ou até mesmo arriscar a vida do bichinho de estimação. Por isso, confira nos próximos tópicos sobre o que a legislação de trânsito indica para transportar o pet no carro.

Imagem: Pixabay

O que diz a lei?

O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) não diz quais são as ferramentas ou equipamentos necessários para poder transportar um pet dentro do carro. Por outro lado, temos alguns artigos legislativos que podem complicar a vida dos motoristas que costumam transportar o cachorro ou o gato solto dentro ou fora do carro.

O artigo 235 do Código de Trânsito Brasileiro considera uma infração grave, podendo render uma perda de cinco pontos na CNH e multa de R$4195,23 no transporte sem autorização na parte externa do veículo.

Existe também o artigo 252 da lei, que considera infração média, com perda de quatro pontos na carteira e multa no valor de R$130,16 o transporte de animais à sua esquerda ou no meio dos braços e pernas. O mesmo artigo também enquadra os condutores que deixam o animal com a cabeça na parte externa da janela.

O que fazer?

Finalmente chegamos até a tão esperada questão. Se no início desse artigo você se identificou com as pessoas que têm dúvidas sobre o transporte de pet no carro, agora vamos abordar isso.

Antes de mais nada, saiba que sim: o cachorro pode viajar usando cinto de segurança, já que a lei não proibe nada disso. Entretanto, a questão a ser discutida é se essa atitude é prática.

O cinto confeccionado para seres humanos não vai ser capaz de proteger o pet e ao mesmo tempo transportar o animal com conforto.

Para ser direto, se você pretende garantir a segurança do animal de estimação e dos outros ocupantes, existem no mercado afora alguns acessórios que vão restringir a movimentação do animal dentro do carro.

Na situação de gatos e cães pequenos, é possível transportá-los em uma caixa específica para isso e colocá-los em uma cadeirinha especial. Por outro lado, os animais maiores contam também com um tipo específico de cinto de segurança.

Bem-estar

É comum que os animais fiquem enjoados durante as viagens de carro. Por causa disso, uma dica importante é evitar alimentá-los pelo menos três horas antes de passear.

Caso seja preciso, consulte um veterinário a respeito das medicações específicas e que podem evitar o mal-estar dentro do carro. Além disso, evite dirigir de forma agressiva e, nas viagens longas, programe algumas pausas para que o pet possa sair para se distrair um pouquinho.

Vale também levar alguns objetos do animal, como brinquedos e cobertores. Crie um ambiente familiar e, independente de qualquer coisa, mantenha a calma para evitar que o seu estresse seja notado pelo animal.

Imagem padrão
Edson

Iniciando o primeiro período na faculdade de cinema e redator. Trabalhando com a escrita desde 2018, sempre encarei os meus textos com grande responsabilidade, e escrever sobre finanças e economia não vai ser diferente. Descomplicar esses temas para o público geral com certeza é o meu maior desafio, e espero que vocês me acompanhem nessa.

Deixar uma resposta